Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Pássaros

por João Sousa, em 04.04.19

origami no catamarã.jpg
[encontrados num catamarã]

Eu, desde sempre possuidor de uma habilidade manual que me impede de fazer algo com a complexidade de um barco de papel, vejo isto e sinto o despertar da inveja.

Autoria e outros dados (tags, etc)


10 comentários

Sem imagem de perfil

De Janita a 04.04.2019 às 20:28

Pássaros não aprendi a fazer. Já barquinhos de papel fiz muitos quando criança e, mais tarde, para o meu neto. Curiosamente nunca os fiz para os meus filhos.
Não... Ao ver estes pássaros de papel, não foi inveja que senti.
Senti-me inundar por uma imensa ternura... Abençoadas as mãos que os fizeram.
Foi bonito tê-los fotografado e trazido para nos mostrar. Muito bonito, gostei.

Bom fim-de-semana.
Imagem de perfil

De João Sousa a 05.04.2019 às 00:40

As cores dos papéis eram muito bonitas. Aqueles pássaros não foram feitos por impulso com um qualquer panfleto recebido à entrada da estação.

Obrigado e bom fim-de-semana.
Imagem de perfil

De Pedro Nogueira a 05.04.2019 às 13:56

Mestres do Origami. Nunca é tarde para começar :)
https://www.origamiway.com/origami-crane.shtml
Imagem de perfil

De João Sousa a 05.04.2019 às 20:45

:) Falta de informação não é o problema maior - páginas e youtubes tenho aqui uma pasta com vários. Falta de jeito é o problema maior. O que me sai das mãos, sapos com pernas tortas e pássaros sem bico ou com uma asa maior do que a outra, mais parece ter vindo da imaginação de David Cronenberg - ou das florestas que rodeiam Chernobyl...
Imagem de perfil

De Pedro Nogueira a 06.04.2019 às 00:30

" florestas que rodeiam Chernobyl"
Ah, ah, ah!
Também calculei que as fontes de informação não eram o problema maior.
Deixei o link mais pela piada :)
Bom fim-de-semana.
Sem imagem de perfil

De Janita a 07.04.2019 às 16:11

Não me leve a mal, por favor, acredito que até é coisa de mau gosto vir novamente, não para comentar o post, mas sim, comentar um comentário.
Sabe?... Não me caiu bem o riso sobre as florestas de Chernobyl.
Não pude deixar de me lembrar das causas de ainda existirem, nascerem e crescerem, após tantos anos, seres humanos com deformações físicas genéticas. Vítimas inocentes da sede de vingança de outros seres mal formados de carácter, estes sim, pecadores ....
Se o aborreci,se se sentiu incomodado, pode dizer-me à vontade, e, se quiser, não voltarei cá, mas há certas coisas que mexem comigo e não consigo calar, por mais que me esforce...e olhe que me esforcei bastante para ficar muda e queda.
Sem imagem de perfil

De Janita a 07.04.2019 às 19:07

Quando os comentários nos desaparecem da vista nem nos dão tempo para uma segunda leitura mais aturada. Ao ver o que há pouco escrevi quero penitenciar-me pelo lapso cometido. A tragédia de Chernobyl não teve nada a ver com vingança, embora houvesse negligência como creio foi comprovado. Peço desculpa, se fui indelicada, mas persisto em que rir do mal alheio é cruel.
Imagem de perfil

De João Sousa a 08.04.2019 às 00:51

Escrever num blogue de acesso público acarreta sempre o risco de trazer uma reacção negativa por algo publicado. Aborrecer-me ou incomodar-me só acontece em duas situações: por comentários de "trolls", que assumo serão filtrados sem cerimónia (são o único caso em que me atribuo o direito de censura); ou por comentários que, na busca de litígio, deturpam algo aqui escrito. Os primeiros, felizmente, não tenho, com probabilidade por esta bilheteira ser um canto demasiado minúsculo e obscuro da blogosfera para atrair tais atenções. Os segundos também são raros (só ocorreu uma vez), certamente pela ausência de assuntos polémicos que apelam a tais militâncias - e também pela obscuridade. Por isso, fique descansada, não fico incomodado nem aborrecido pela sua opinião. Aqui não há delito de opinião quando ela é emitida de boa-fé.

Mas permito-me discordar dela. Não o faço à avaliação do próprio acontecimento: creio poder afirmar, com grande certeza, que ninguém que aqui tenha escrito alguma vez olharia para Chernobyl e suas consequências e apontaria o dedo com uma gargalhada. Faço-o pelo sentido que atribuiu. E tentarei explicá-lo de forma muito sucinta.

Terei, naquele meu pequeno exercício de humor, ultrapassado os limites admissíveis deste - assumindo que existem? Penso que não. E penso que não por isto: quando digo "o objecto X feito por mim parece ter saído da tragédia Y", não estou a rir da tragédia - estou, sim, a rir do objecto tão mal feito. O sujeito da piada não é Y. O sujeito é X e Y, pela sua dimensão, é apenas usado para superlativar X.
Imagem de perfil

De HD a 08.04.2019 às 20:48

Estão muito fixes :-)

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor


Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D




Pesquisar

Pesquisar no Blog