Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]



"É tão giro ter um mini!"

por João Sousa, em 26.08.19

Morris_Mini-Minor_1959_(621_AOK).jpg

Fez hoje 60 anos que o Mini foi apresentado oficialmente ao público.

(E nem sequer uma notazinha de rodapé nos jornais?)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:53


2 comentários

Imagem de perfil

De Flávio Gonçalves a 14.10.2019 às 15:41

Passou de carro utilitário e económico, ideal para a família de classe trabalhadora fosse ela urbana ou rural, para um artigo de luxo... podia ter evoluído melhor.
Imagem de perfil

De João Sousa a 20.10.2019 às 09:16

Eu próprio já abordei diversas vezes a bizarria de chamar “Mini” a um carro com quase quatro metros de comprimento e apenas um palmo mais curto do que o Golf. [O Mini clássico mede três metros e cinco centímetros. Três metros! O Smart actual mede menos trinta centímetros e pesa mais 300 quilos - e só transporta duas pessoas!] Mas compreendo a abordagem da BMW.

Quando o Mini foi lançado em 1959, a economia e a indústria automóvel estavam, na Europa, ainda longe de recuperadas do impacto da Guerra e a ideia de “pequeno familiar económico” era os micro-carros: os carros-bolha. O Mini, com a margem para inovação que existia, pôde apresentar-se como um produto superior à concorrência. Nos anos 90, apesar das actualizações de motor e outros componentes que foi recebendo, já perdera qualquer competitividade como familiar compacto - mas transformara-se num pequeno citadino razoavelmente popular numa população jovem urbana que exibia tiques de hipster ainda antes de tal palavra se vulgarizar. Fazer o novo Mini como “apenas mais um” familiar compacto, num mercado já saturado de modelos competitivos e sem a margem que Issigonis teve para criar um modelo tecnicamente diferenciado, poderia ter como consequência a diluição do valor que a marca “Mini” foi conquistando ao longo das décadas. Por isso, a BMW optou por lançar o “novo Mini” não como o original se posicionou, mas sim como já se posicionava em 1999: um pequeno citadino urbano para um público-alvo disposto a pagar mais por um objecto de design. O novo Mini, no fim de contas, é a repetição do que foi o novo Carocha. E eu até tenho respeito pelo trabalho feito pela BMW: diz-me quem conduziu ambos que o Mini actual tem um comportamento que faz recordar muito o do original.

Já o novo Carocha foi, na minha opinião, bastante mais desvirtuado: em que mundo irreal se pode imaginar um Carocha com motor à frente?

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.



Mais sobre mim

foto do autor


Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D




Pesquisar

Pesquisar no Blog