Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



'15 '16 '17

por João Sousa, em 05.02.18

2017 será, pelo menos até este ano acabar, o pior ano de que tenho memória. Se alguém me desse um bilhete para uma engenhoca mágica que me permitisse apagar um ano, seria 2017 sem pensar duas vezes. No meio das várias perdas, fracassos e derrotas, nada me ocorre que possa, num futuro próximo ou longínquo, justificar uma reapreciação destes doze meses. E no entanto, há aqui um paradoxo evidente. Para todos os efeitos, 2015 e 2016, com todas as suas dúvidas e segundas oportunidades, deveriam merecer uma pior avaliação. Nada do que aconteceu ou se comprovou no ano passado resultou de falhanços cometidos no ano passado. Quando tive influência, foi por acções e inacções nos anos anteriores e cujas consequências eu percebi, previ e senti no momento. 2017 deveria ter sido um ano de pacíficas aceitações, 2015 e 2016 uma turbulenta memória de todas as restantes fases do modelo de Kubler-Ross.

Mas não é isso o que se passa. Sinto a falta de 2015 e dos seus talvezes que nunca o foram. E algo se passou em 2016, numa daquelas tardes de Primavera que já têm mais do Verão que há-de vir do que do Inverno que a precedeu. Sentado no meu canto habitual, a aguardar que o barco se separasse de Lisboa, senti... alívio. Um alívio que se tornou físico, como se alguém retirasse um universo dos meus ombros. Durante alguns minutos, todas as certezas e todas as dúvidas se calaram. A certa altura respirei fundo, fechei os olhos e sorri. Sorri um sorriso pintado de tristeza porque  sabia, mesmo assim, que aquela viagem iria terminar dali a pouco e a realidade regrediria, como sempre o faz, para a média. Mas sorri também porque talvez... talvez. Naquela intersecção de espaço e tempo que eu ocupava e apenas eu ocupava, apesar de todas as razões que me convenciam do contrário... parecia possível. Talvez bastasse um passo. Talvez uma palavra chegasse. Talvez um gesto fosse suficiente. Talvez...

Eu não sabia, e não sei, e não saberei se aqueles momentos foram reais ou ilusórios, se resultado de um propósito ou de uma sequência de acasos. Sei é que, em 2016, revivi uma sensação dos meus 17 anos e que já esquecera: a sensação de possibilidade. E por isso estar-lhe-ei sempre grato.

Autoria e outros dados (tags, etc)


2 comentários

Imagem de perfil

De gatodeloiça a 07.02.2018 às 17:46

Gostei do texto, principalmente na altura em que "Durante alguns minutos, todas as certezas e todas as dúvidas se calaram. A certa altura respirei fundo, fechei os olhos e sorri. " Essas são as melhores sensações. E "a sensação de possibilidade". Gostei. Às vezes há alturas em que redescobrimos coisas que já havíamos esquecido, como a sensação de possibilidade.

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor


Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D




Pesquisar

Pesquisar no Blog